evão do caminhão

nos momentos cruciais... estacione seus neurônios e acelere seus hormônios

segunda-feira, setembro 01, 2008

QUANDO SE PERDE SEM QUERER PERDER É UMA DOR INCOMUM

Quando li esse post no carlotapolar fiquei empolgadíssima, fiz meu cadastro no tal site e decidi: quando fosse pra Ouro Preto dia 29/08/08 deixaria um livro na rodoviária.

Fiquei pensando em qual livro deixar de presente pra alguém x , mas na correria da viagem acabei me esquecendo.

Levei então o "Inês de minha alma" da Isabel Allende. Não queria deixá-lo, só queria terminar de ler nas várias horas que ficaria esperando o busão.

Eis que enquanto preparava o presente de 50 anos da Baviera acabei esquecendo meu livro no banco. Completamente sem querer. E em questão de segundos ele desapareceu. Novinho... e eu sem saber o final.

A sensação de perda não voluntária causou traumas irrecuperáveis em minha alma.


2 Comments:

  • At 10:37 AM, Blogger ClaudioYidaJr said…

    eu ainda creio na humanidade e acho que ele vai ter uma boa serventia.

     
  • At 12:45 PM, Blogger Carlota Polar said…

    Putz. Entendo perfeitamente o que você sentiu, argh. Odeio perder livros porque, ao contrário do rapaz aí de cima, não tenho a menor fé na humanidade. Tenho fé no aleatório, entretanto.

    Mas você conseguiu a tal etiqueta dos caras? Eu escrevi uma minha mesma, porque eles nunca me retornaram. Tem toda uma série de coisas que precisa constar no livro, tipo o número do cadastro e tal.

    E quero uma carona no caminhão, DEFINITIVAMENTE. E querendo um geladinho ou uns ingressos pro show da Sheila Mello, só me dar um toque.

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home