evão do caminhão

nos momentos cruciais... estacione seus neurônios e acelere seus hormônios

segunda-feira, maio 19, 2014

ONDE HOUVER FÉ QUE EU LEVE A DÚVIDA

Mais uma virada cultural! E foi assim:IRA – definitivamente o rock envelheceu. “Nosso ídolos ainda são os mesmos e as aparências não enganam não.”PENINHA– muito amor no coração. Emoção à flor da pele!ROSANAH – vergonha alheia! Caraio, (n)o que a diva se tornou?Trabalhar no sábado de virada fodeu o esquema. MORTOS de sono,  perdemos as homenagens para Reginaldo Rossi e Jair Rodrigues. Bem como não pudemos VER Katia Cega.Ressurgimos como Fênix pra curtir ORIGINAIS DO SAMBA no palco mais limpo da cidade – o da Luz. Tava tão bom que os garis se concentravam lá pra curtir os shows enquanto trampavam. Iam e vinham, rodando com suas vassouras mágicas por toda a extensão da estação. Lá também assistimos o embriagado de samba ALMIR GUINETO e a mais feminista das feministas, ELIANA DE LIMA.Nos intervalos demos passeadas no belíssimo Parque da Luz e vimos ainda grupos de JONGO e BUMBA-MEU-BOI.FALCÃO, sem sombra de dúvidas, foi o artista mais revolucionário que passou pelo festival. Duras críticas sociais no meio de palavras fanfarronas. Acredito que metade do público não captou as ironias disparadas.Pegamos ainda um pedacinho de PEPEU GOMES e seu virtuosismo na guitarra (só não é melhor que o Chimbinha).Na rua General Osório, encontramos mais uma galera do samba. Lá vimos a essência da Virada. Os nóia da cracolândia dançando com os playboys na mesma sintonia. Foi nesse palco que curtimos ZECA PAULICÉIA e MURILÃO. Os Demônios da GAROA deveriam ter passado por lá também, mas não puderam ir, pois estavam se transformando em TEMPESTADE.E quando o mundo caiu em formato de pedras de gelo assopradas pelo deus do vento a plateia continuou a roda de samba embaixo do toldo de entrada do hotel mais próximo.Pena que o vento não afastou o pessimismo dos jornalistas que insistem em destacar apenas os arrastões, roubos e brigas. Antes e depois do festerê. Novamente não presenciamos NENHUMA dessas coisas.Se puder sugerir, fica a dica: melhoria na acústica do palco do Arouche, bandas mais populares no palco da São João, a volta do palco Sertanejo, maior diversidade nas barraquinhas de comida, organização por gênero melhor definida (esse ano foi meio confuso, alguns destoaram).

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home